• foto_mi

    Camilla Sartorato é a responsavel por este blog. É jornalista e reside em Londrina/PR.Atualmente trabalha na Associação de Pais e Amigos de Pessoas com Síndrome de Down (APS DOWN), prestando serviços de Assessoria de Imprensa. Além disso, fez parte da Comissão Organizadora do V Congresso Brasileiro sobre Síndrome de Down, realizado setembro de 2008 em Londrina. Contato: camillasbr@hotmail.com

  • Blog Stats

    • 265,114 acessos

Incluindo a Inclusão

A prática adquirida no Magistério ao longo desses anos, despertou minha consciência no que se refere à compreensão de que o ambiente escolar é um espaço vital para o crescimento e o desenvolvimento dos estudantes e dos educadores. Nele acontecem interações processuais que alteram o estado inicial tanto de uns, quanto de outros. E é talvez nesse momento que se percebe a relevância da inclusão que antes de mais nada, oportuniza esse processo interacional fazendo valer o direito dos alunos “especiais”.

Colegas de classe auxiliam Rita (deficiente visual) com as atividades. Foto: Roberto Ortega

Colegas de classe auxiliam Rita (deficiente visual) com as atividades. Foto: Roberto Ortega

Sabemos que cairá sobre o, já castigado, professor a tarefa de desenvolver adequadamente esse aluno. É certo que capacidade todos os nossos professores possuem, mas não será justo que apenas ele “se vire nos trinta”. È de responsabilidade da instituição, seja ela pública ou privada, gerenciar e assessorar o professor, efetivando o processo ensino-aprendizagem.

A inclusão necessita ser realizada, mas não pode simplesmente acontecer sem que antes ocorra adequação de espaço físico, recursos necessários e principalmente, profissionais específicos para o trabalho. Não é novidade para ninguém a realidade constada no ensino público que superlota as nossas salas de aula. Imagine então como um deficiente visual conseguiria familiarizar-se com uma sala que faz tropeçar os que bem enxergam.

Claro que quero acreditar que com a inclusão todos possam ganhar, mas me preocupa pensar se terei como acomodar adequadamente um cadeirante, se minha escola possui três pavimentos, sem elevador, com salas ambientes que promovem a troca de alunos. E quando a próxima aula for no andar de cima? O que fazer? É…! Essa é apenas uma das minhas muitas indagações.

Se vou aceitar a inclusão?? É claro! Afinal sou professora…

________________________________

Autor: Rose Ramos

Professora de Língua Portuguesa e especialista em Educação Especial

Dez.2007 | Londrina – PR

Anúncios

Uma resposta

  1. Prezada Camilla;
    Em primeiro lugar parabéns pela qualidade do seu trabalho.
    Meu nome é Victor Pavarino, e trabalho em um Centro da Transportes da Universidade de Brasília (www.ceftru.unb.br). No momento trabalho em um projeto de capacitação de pessoas no setor de transportes terrestres e quero enriquecer o material didático com imagens como que vi acima na foto de Roberto Ortega, no item em que tratremos da pessoa com deficiência nos transportes.
    Gostaria de sua permissão para reproduzir a imagem no material para os alunos, citando, naturalmente, a fonte e os créditos.
    Posso fazê-lo?
    Ats
    Victor

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s